segunda-feira, 25 de junho de 2007

Retirando os Ícones do Sistema no Gnome

Quem usa o desktop Gnome já viu que ele mantém na área de trabalho os ícones do sistema (home, computador, lixeira e dispositivos de armazenamento em geral), mas nem todo mundo gosta desses ícones alí, pricipalmente por eles serem facilmente acessados através do menu "Locais".



Eu pessoalmente não gosto de ícones na área de trabalho pelo simples fato de que quando você precisa deles você tem que minimizar tudo, então é bem mais prático manter uma barra de ícones. Bem, vamos ao que interessa: Retirar os ícones do desktop do Gnome.
Para fazer isso você precisa usar o programa gconf-editor, para isso abra um terminal e digite:

$ gconf-editor

Nessa janela que abriu escolha, à esquerda, o menu "apps->nautilus->desktop", à direita será mostrada uma lista com os ícones exibidos no desktop, basta retirar a seleção dos icones que você não quer. A opção volumes_visible serve para mostrar as midias inseridas/conectadas à máquina, tipo um cd-rom ou um pen drive. Como as alterações são feitas assim que você desmarca as opções não há botão de salvar, basta fechar a janela.

Pronto, bem melhor sem aqueles ícones (in)úteis heim?

InFog

13 comentários:

Hiro disse...

boa boa, esclarecedor =)

voyeg3r disse...

Existe um outro modo de configurar o gnome, no caso através de scripts, dá uma olhada neste arquivo:
gconf-script

Renan disse...

Ótima dica!

Vou já tirar os ícones do desktop :P

InFog disse...

=)

Parece que eu não sou o único que não gosta desses ícones

InFog

Francisco disse...

Maravilhosa dica, há tempos a buscava , pois até icone de floppy [ainda existe??] incomodava aqui no meu desktop. Mas uma dica que ainda não consegui em lugar nenhum foi como aumentar o tamanho da fonte do relógio que fica na barra do painel. A fonte aqui é minúscula...

Leonardo Fontenelle disse...

Francisco: o tamamnho da fonte do relógio é controlado pelo menu Sistema→Preferências→Fontes. Para mim, ao menos, o tamanho da fonte do relógio está ótimo, porque é o mesmo dos menus do painel superior.

Leonardo Fontenelle disse...

Pessoalmente, já retirei esses ícones da área de trabalho há um bom tempo, e não sinto falta porque uso o gerenciador de volumes.

Atualmente, minha área de trabalho tem um ícone útil, um bocado de tralha e alguns ícones inúteis.

O ícone útil é um arquivo de texto atualizado periodicamente para mostrar falhas de segurança do meu Gentoo. Um comando é concatenado peo cron diariamente para o arquivo, e a previsão do Nautilus denuncia se o arquivo está vazio ou se contem relatórios de falhas.

Tenho uma série de informações amontoadas, esperando que eu tome vergonha na cara para arrumá-las, e tenho os ícones do Computador, da Pasta Pessoal e da Lixeira -- que acabei de remover graças a esse artigo.

Sobrou ainda uma pasta, Downloads. Ela fica lá simplesmente porque muitas pessoas, inclusive uma que usa esse computador, tem uma enorme dificuldade em saber onde vão parar os arquivos baixados!

Thiago Rodrigues disse...

Obrigado pela dica, estavo mesmo procurando uma forma de tirar os ícones das partições do meu HD do desktop.
Abraço!

César Oliveira A. Lemos disse...

Blz de dica.
Mas eu tenho uma dúvida: Esse procedimento deve ser feito nas configurações de cada usuário, individuamente. Para aplicar a todos os usuários existentes pode-se executar uma pequena variação do script do voyeg3r. Mas como aplicar automaticamente ao se criar novos usuários sem o uso de scripts? Digo, onde mudo as configurações padrão para novos usuários no gnome? No XFCE é barbadinha, mas no gnome ainda não consegui fazer.

Um abraço e parabéns!

InFog disse...

Cesar,

Isso eu ainda não fiz, mas é realmente uma boa pergunta, vou ver se encontro a solução e posto no Tux Masters.

InFog

César Oliveira A. Lemos disse...

Aliás, parece ser um tanto difícil encontrar esse tipo de documentação. Afinal, essa galera que "cria" novas distribuições personaliza como?
Existem maneiras (não muito elegantes) de customizar o espaço do usuário como por exemplo, utilizando a pasta /etc/skel, mas isso é um paliativo. Os maiores progressos com consegui foi fazendo um "estudo reverso" dos pacotes instalados com o apt, mas infelizmente, nem tudo é muito lógico.
Na realidade, creio muito mais que o problema está em mim que não consigo achar a fonte adequada do que a própria escasses de documentos.
Valeu! Té +

Diogo_RBG disse...

Matou a pau !!!

Professor disse...

Estou começando a usar o UBUNTU, apesar de ser vovô. Achei esta dica muito boa pela qualidade da escrita, não é hermética para nós que estamos iniciando. Parabens!